terça-feira, 1 de setembro de 2009

CRÍTICA: A Jornada: Uma Viagem pelo Tempo

A Jornada: Uma Viagem pelo Tempo é um filme muito gostoso de assistir. Não é um filme de ação nem para se amocionar, mas para refletir sobre ensinamento, principalmente sobre a moral e bons costumes associados à Palavra de Deus e ao que Cristo disse nos Evangelhos. Esse é o foco principal do enredo: ensinar o homem a ser bom e honesto. Mas isso seria proveitoso sem mencionar que quem disse disse isto oi Jesus? Os doutores Anderson e Carlisle travam essa batalha de ideologia até que este último tem um inacreditável encontro com os crentes e descrentes do século atual. Verdadeira Sodoma e Gomorra, diga-se de passagem.



A SINOPSE


Ano 1890 - o professor de seminário Russell Carlisle (D. David Morin - Compromisso Precioso) tem escrito uma tese chamada "A Mudança dos Tempos". O seu livro está prestes a receber o aval e apoio da diretoria do Seminário Grace Bible até que sua colega Dr. Norris Anderson (Gavin MacLeod - O Barco do Amor) levanta uma objeção. Dr. Anderson acredita que o que Carlisle tem escrito poderia ter um grande impacto sobre as gerações ainda por vir. Utilizando uma maquina secreta do tempo que construiu, Dr. Anderson envia Carlisle numais de 100 anos para o futuro. É a oportunidade única de ver em que sua tese e crenças se tornarão.

O idealizador do filme, Rich Christiano, foi muito feliz nesse longa, assim como outros projetos assinados por ele: "Não Identificado" e "The Secrets of Jonathan Sperry"

A Jornada: Uma Viagem pelo Tempo mostra-nos um bom roteiro, produção e direção. Ótimo entretenimento e grande reflexão.

Recomendamos a todos.

1 comentários:

Cintia Campos disse...

Só discordo em um ponto de sua crítica,esse filme é muito BOM de assistir! Assisti várias vezes e digo que foi um dos filmes mais bem feitos que ja vi!Sempre recomendo!