Conheça as ficções cristãs lançadas no Brasil

Não sabia que há uma biblioteca de ficções cristãs para você ler? Veja aqui uma lista completa com os títulos publicados em nosso país.

Frank Peretti que o Brasil não conhece

Saiba que Frank Peretti tem muito mais lá fora do que "Este Mundo Tenebroso". Veja quais sucessos dele ainda não deu as caras por aqui.

Leia a resenha de A Negociadora

Um dos grandes sucessos da escritora Dee Henderson é a série O'Malley. Saiba mais sobre esse primeiro livro da série.

Livro impresso "Ilusão"

Uma ficção cristã de suspense que você não vai para de ler até o final da história. Adquira já o livro impresso ou o eBook baratíssimo.

Tudo que tenho é Cristo

Assista a essa animação emocionante que nos mostra o que está reservado ao cristão que persevera até o fim.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

DICA/LIVRO: Pelas minhas Mãos, de Alton Gansky

Pessoal, trago mais uma dica de ficção cristã que parece ser muito boa, que envolve mistério, drama e suspense - ingredientes preferido para minhas leituras. Não tive a oportunidade de ler ainda, mas já está na minha lista de compras. O autor é estrangeiro e o livro foi publicado pela CPAD (parabéns à editora que acreditou no gênero e estilo). Abaixo mais informações sobre o título:
 
SINOPSE: Drama, suspense, assassinatos, mobilização do FBI e grandes surpresas! Curas inexplicáveis estavam acontecendo no Hospital Kingston Memorial. Sabia-se apenas que um homem, vestido de branco, entrava no quarto, tocava no paciente, uma luz azul forte tomava todo o ambiente e o doente era sarado. Porém, os pacientes curados e suas famílias eram seqüestrados. O que estaria por trás de tudo isso?
 
Ficha técnica:
Título: Pelas minhas mãos
Autor: Alton Gansky
Editora: Casa Publicadora das Assembléia de Deus (CPAD)
ISBN: 85.263.0150-0
Páginas: 352
Formato: 14,0 x 21,0 cm.
 
 



 

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

DICA/Filme: A lenda de Click Clack Jack

O longa metragem "A lenda Click Clack Jack" ganhou vários festivais de cinema nos EUA, incluindo o de Melhor Curta-Metragem no New York International. O filme foi produzido em Califórnia com um orçamento estimado um 1.000.000 dólares. A BV Filmes está distribuindo a produção aqui no Brasil.
 
Leia a ficha técnica:
Título Original: Click Clack Jack: A Rail Legend
Diretor: Ryan Bodie
Gênero: Aventura/Infantil
Duração: ----
Origem:
EUA
Ano: 2009
Tipo: Longa
 
Sinopse: Click Clack Jack conta a história de um maquinista de trem da década de 1870, que opera numa pequena linha na cidade de Potters Gap. Jack conhecido carinhosamente como Click Clack Jack usa os princípios da Bíblia para tentar salvar a cidade de um ganancioso Barão.


FONTE: Cinemacristao.com
 

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Estou no Skoob.

 
Achei o Skoob uma ferramenta online fantástica. E é claro que estou desfrutando desse site (já há alguns meses), que mistura, leitura e relacionamentos de forma que deixa os leitores ainda mais compulsivos e motivados.
 
Para acessar e conhecer meu perfil e estante no Skoob, clique aqui.
 
Se você não sabe o que é o site Skoob, clique aqui e conheça.

NOVIDADE: Grupo Record lançará A Profecia da Babilônia 3 - A CONSPIRAÇÃO EUROPA

O Grupo Editorial Record anunciou por email aos seus parceiros que lançará em 2011 o 3º volume da série A PROFECIA DA BABILÔNIA, que já tem dois títulos lançados no Brasil: o primeiro - "A Profecia da Babilônia" e o segundo - "O Segredo no Ararat". O nome do terceiro livro será A Conspiração Europa.

SINOPSE: Quando Michael Murphy decidiu seguir para a antiga cidade da Babilônia em busca da elucidação de uma antiga profecia, não esperava os perigos que estavam por vir. A escrita na parede é a mais antiga mensagem de Daniel para os tempos modernos. Resolver esse enigma é uma tarefa que pode despertar as forças obscuras e fazer a Terra tremer. Enquanto isso, os Sete se organizam para estabelecer um governo mundial unificado, alterando também os sistemas religiosos e as práticas comerciais aos quais nós estamos acostumados. Porém, eles não sabem que essa atitude abre caminho para o Anticristo subjugar todo o planeta. Os Sete empreendem uma caçada emocionante a Michael Murphy, o único ser humano capaz de desvendar os mais enigmáticos textos bíblicos e destruir os planos de dominação das forças do mal. Porém, Murphy não é um herói comum. Respeitado acadêmico, ele é capaz de arriscar a própria vida em busca de artefatos que remontem ao período do Antigo e do Novo Testamento. Com seus conhecimentos, ele está pronto para lutar pela liberdade.

 
Sobre os autores:
Tim LaHaye, notável estudioso das profecias bíblicas, é criador e coautor da série Deixados para trás, que vendeu mais de 50 milhões de exemplares em todo o mundo, autor de mais de 40 livros de não ficção, ministro cristão, fundador e presidente do Ministério Tim LaHaye, doutor pela Western Theological Seminary e doutor em Literatura pela Liberty University. LaHaye vive com sua família no sul da Califórnia.
Bob Phillips, Ph.D., é autor de mais de 80 livros, além de consultor e diretor executivo do Pointman Leadership Institute.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

DICA/Livro: "Shock" - Sua Vida Por um Fio: Você Está Preparado?

 
SINOPSE:
Três jovens, cheios de vida. Um cristão ?praticante?, um cristão só de nome e um não cristão. Mas algum dia, de repente... Você sabe o que vai acontecer nos próximos 30 minutos da sua vida? O que o espera na próxima esquina? Nossas vidas identificam-se com um desses jovens; como você vai estar quando for a sua vez? Uma leitura empolgante e cativante. O autor, Adrian Holloway, foi jogador de Hugby, comentarista e apresentador pela BBC de Londres e atualmente dedica-se integralmente ao ministério com jovens e escreveu esta ficção com o firme propósito de que seja uma ótima ferramenta na evangelização, principalmente de jovens e adolescentes.
 
Ficha Técnica:
SHOCK
Autor Adrian Holloway
Editora Candeia
ISBN: 8573521562
Páginas: 157
Formato: 14,0 x 21,0 cm.

Há alguns anos vi esse livro para vender e depois não o vi mais, mas fica a dica e a curiosidade se alguém já a obra.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

NOVIDADES: Stephen Baldwin apresenta o seu novo filme: Loving the Bad Man (Amando o Homem Mal)

 

Stephen Baldwin apresenta o seu novo 
filme Loving the Bad Man Stephen Baldwin apresenta o seu novo filme: Loving the Bad Man 
(Amando o Homem Mal)

 
 
No dia 7 de janeiro, o reconhecido ator de Hollywood, Stephen Baldwin, esteve nas instalações da igreja Doral Jesus Worship Center apresentando seu novo filme: Loving the Bad Man (Amando o Homem Mal).
 
O famoso ator, conhecido, entre outras coisas, por ser o irmão mais novo dos Baldwin, se apresentou juntamente do escritor e diretor Peter Engert e de alguns dos atores que fazem parte dessa história comovente. Por mais que, no filme, Baldwin desempenhe um papel secundário, sua extensa trajetória cinematográfica o converteu no protagonista da noite.
Há aproximadamente 9 anos, o popular ator aceitou a Cristo como seu Salvador e, desde então, tem sido mais seletivo nas produções que participa, escolhendo aquelas que estejam orientadas à família e que promovam bons valores. Tal é o caso do filme independente Loving the Bad Man, no qual promove o perdão como a melhor via para alcançar a redenção.
 
A trama gira em torno de Julie Thompson (Christine Kelly), uma jovem cristã que é assaltada e violentada sexualmente enquanto se dirigia a um de seus trabalhos voluntários. Como resultado dessa violência, Julie engravida e, contra a opinião de sua família, decide não ter o bebê sozinha, mas perdoar o homem que a violentou, Mike Connor (Arturo Fernández).
O filme foi gravado em Miami, onde reside a maioria dos atores. Assim o público teve a honra de conhecê-los pessoalmente e de fazer-lhes algumas perguntas ao encerramento de cada gravação.
 
Stephen Baldwin, que interpreta um prisioneiro no filme, disse que o seu personagem representa o juízo. Assim, aproveitou sua intervenção no púlpito, exortando os espectadores a viverem suas vidas de acordo com a Palavra de Deus, destacando que na segunda vinda, Jesus virá como juiz, portanto, todos devemos estar preparados.
Posteriormente, foi realizada uma coletiva de imprensa com o elenco do filme, na qual participou um grupo seleto dos meios de comunicação.
 
O filme foi criado por Baldwin's Xtreme Media Company, uma produtora cristã, criada por Baldwin junto do ativista cristão e locutor Kevin McCullough, que também esteve presente no pré-lançamento do filme, que estreará, em breve, em mais de 600 cinemas nos Estados Unidos.
 
Fonte: Con Poder
Tradução e Edição: Gospel Prime
 

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

CONTO: Quando Acaba a Inocência - Naasom A. Sousa

Nesse sábado, dia 22/01/2011, foi o resultado do concurso literário 2010 aqui da cidade onde resido, Paragominas-PA, e ganhei o 2º lugar (categoria conto), com o texto AS REGRAS DO AMOR. No ano anterior, 2009, fiquei em 3º lugar; em 2007 fiquei com a 1ª colocação.
Coloco aqui o conto que ganhou o 3º lugar em 2009.
Espero que apreciem.

 

 

QUANDO ACABA A INOCÊNCIA

 

Eu olhava em seus olhos esbugalhados de terror e temor. Ele estava com os braços estendidos para cima, demonstrando uma total rendição ao gesto que eu fazia. Não conseguia mais olhar para ele sem que aquele arrepio percorresse gélido o meu corpo seminu. Estávamos numa casa de prostituição onde eu trabalhava. Ele estava sentado à beira da cama desarrumada e de cheiro desagradável; eu estava em pé, retesada, com os olhos desaguando em lágrimas. Enfim ele estava diante de mim, indefeso, como assim eu já estivera diante dele muitas vezes. Jurei a mim mesma que quando eu o reencontrasse seria o fim daquela vida de encontros frívolos e o fim da existência dele.

Por fim, fechei os olhos, apertando-os o máximo que eu podia. Esperava apenas o estampido. A arma tremia em minha mão magra e vacilante. Eu tinha vinte e seis anos, estava a ponto de apertar o gatinho... e matar o meu próprio pai.

Naquele momento, em que eu podia sentir o gatilho escorregando, prestes a acionar o mecanismo que expulsaria a bala da arma e concretizaria meu primeiro homicídio, ouvi a voz entrecortada dele a balbuciar palavras quase inaudíveis: "Não faça isso… Francisca… sou seu pai… eu… eu te amo…"

Não me dei conta que deixei afrouxar o dedo e o tiro não saiu naquele instante. Apenas pensei em antes olhar para ele mais uma vez. Tive vontade de sorrir com desdém, mas me contive. Ele já não me conhecia. Foi por isso que tentara comprar uma hora do meu tempo e do meu corpo. Não sabia o que passei, não sabia o que vivi nem o nome que adotei após a sua partida. Não me chamava mais Francisca; todos me conheciam agora por Conceição, a alegre.

Numa fração de segundo foi como se eu retornasse à minha infância e logo me vi indo para a escola com cinco anos de idade. Era meu primeiro dia de aula. Minha mãe me levava pela mão e eu, uma vez ou outra, olhava para cima a fim de fitá-la e sorrir em sua direção para manifestar-lhe minha alegria. Lembrei que, diferente das demais crianças que foram deixadas na sala de aula naquela manhã, eu não chorei. Mamãe sempre me elogiava por isso e se gabava para outras mães perto de nossa casa, vizinhas de fofoca. Eu era feliz.

Eu estava brava. Ainda o tinha sob a mira da arma. Podia ouvir alguns sussurros vindo dos quartos vizinhos. Aquele que um dia fora meu pai continuava imóvel, sabendo que se erguesse a voz morreria de imediato. Limpou a garganta e soprou: "Não faça isso… filha…"

"Não faça isso… filha…", foi o que ele dissera quando aos cinco anos ela levara o caderno para a mesa em que estava servido o almoço. "Nessa casa a hora do almoço é sagrada".

Senti mais uma enxurrada descer de meus olhos. As emoções se manifestando como algo que tinha sido escondido há muito tempo e agora estava eclodindo de forma inesperada.

"Você não sabe o significado de sagrado!" Minha boca e queixo estavam rígidos. Era difícil falar.

"Do que você tá falando?" ele gaguejou acuado.

Fora com essas palavras que ele tentara fazer de escusado minha negação, quando entrara em meu quarto pela madrugada. Eu tinha sete anos. Com movimentos suaves suas mãos tocaram meu corpo ainda pequeno e inexplorado. Assustada eu me retraí. Disse-lhe que aquilo não era bom. Foi então que aquela frase surgiu e grudou em minha cabeça. "Do que você tá falando?". Sem palavras diante do medo que senti ouvi sua próxima sentença: "Vou te mostrar como isso é bom. Você vai gostar".

Eu resisti, mas ele era forte. Ele era meu pai e eu o amava. Amava. Todo sentimento bom que sentia por ele deixou de existir desde aquela noite sombria e terrivelmente dolorosa. Surgiu então o medo, a revolta, o asco. Entretanto, infelizmente, tudo isso não o impediu de visitar minha cama alguns dias por mês pelos anos que se seguiram. Eu dizia que iria contar para mamãe o que ele fazia comigo e, em contrapartida, as ameaças que eu ouvia por parte dele eram capitais. O que mais saia de seus lábios era: "Se fizer isso vou te matar!"

"Se fizer isso vou te matar!" disse eu ainda apontando-lhe a arma. Foi minha reação quando ele olhou para a porta, talvez pensando se eu teria pontaria e agilidade de acertá-lo antes de abri-la e correr para a rua. Eu podia ouvir sua respiração pesada e sentir seu cheiro repugnante. Ainda era o mesmo de dezenove anos atrás.

Há dezenove anos eu tinha conhecido quem realmente era meu pai: um abusador de crianças inocentes; um pedófilo inescrupuloso que havia violado a própria filha. Quando completei onze anos não aguentei mais as humilhações e as ameaças. Contei para minha mãe. Que infelicidade. Ao invés de ficar do meu lado, alcançou uma corda e me açoitou como se faz com um animal de rua. Meu corpo magro ficara todo marcado. Onde estava a mãe que me levara para a escola de mão dada? E a mãe orgulhosa? Minha cabeça era um imenso redemoinho. Cinco anos sendo abusada e minha mãe nem ao menos se dirigiu ao meu pai com tom de suspeita. À noite ela revelou a ele o que eu dissera. Ouvi toda a conversa detrás da porta, tremendo. Eu iria ser morta, afinal. Não dei chance a ele. Fugi naquela mesma noite pela janela do meu quarto, somente com algumas roupas, e nunca mais voltei para casa.

Corri até ficar exausta. Planejei ir para algum lugar bem longe de onde meus pais moravam. Estava decidida. Continuei, pelo resto da noite, andando pela estrada que me levaria à outra cidade. Fraca pela surra e pela fome que sentia, desmaiei no caminho.

Acordei assustada e atordoada. Notei que estava num quarto sem muito conforto. Logo uma mulher robusta entrou e contou-me que me achara desmaiada e me trouxera para sua casa. Disse que seu nome era Matilda. Por sorte ela morava na cidade vizinha. Perguntou-me o que acontecera comigo e, desesperada, expus-lhe os cinco anos de abusos que sofri, o episódio com minha mãe e, por fim, minha fuga. Ela disse que me ajudaria com o que eu precisasse. Disse-lhe que apenas me ajudasse a ir para o mais longe possível da minha cidade. Por um momento ficou pensativa e então deu de ombros. Falou que era uma mulher solitária e que não conhecia muitas pessoas longe dali. Porém sabia de alguém que poderia ficar comigo por algum tempo, mas talvez eu não gostasse. Disse-lhe que qualquer canto era melhor do que estar no mesmo lugar que meu pai. Ela revelou então que a pessoa que poderia me acolher numa cidade mais distante era dona de um prostíbulo. Não pensei muito e aceitei. No dia seguinte partimos para encontrar a tal mulher.

Bela era o nome dela. Ao me ver e saber da minha história se compadeceu e disse que me ajudaria. Por um mês Bela me tratou bem e me fez conhecer todas as garotas que trabalhavam para ela assim como me contava os fatos que ocorriam debaixo do teto que dali em diante eu passaria a morar. Não me sentia bem com o que acontecia ali, mas não revelei isso a ninguém. Até que um dia Bela me pediu que fizesse um grande favor a ela: entrasse num dos quartos e fizesse companhia a um homem especial que…

Não esperei ela terminar o pedido. Sai correndo para longe daquela casa. Fiquei nas ruas como uma mendiga. Passei fome, fiquei suja, não tive lugar para ficar. Não tive escolha. Voltei para a casa da Bela. Comecei a me prostituir com treze anos. Em minha mente uma sentença passou a ser construída: "Era tudo culpa do meu pai".

Naquele lugar me acostumei a fazer coisas que não gostava em troca de comida e um lugar para ficar. Cada vez que ficava com um homem lembrava "dele". Aquilo era o inferno e eu era uma alma que gemia e por dentro clamava por uma luz no fim do túnel. O ódio por meu pai levou-me a fazer uma promessa a mim mesma: se alguma vez o encontrasse em minha frente o mataria.

Agora estava pronta para matá-lo. Ouvi risadinhas vindas do quarto ao lado. Ainda com meu pai sob minha mira, meu coração se contraiu e percebi que isso aconteceu quando pensei em Marcelo e nas risadas que dávamos quando estávamos juntos. Ele e eu nos conhecemos há um ano atrás, numa certa noite em que alguns amigos dele lhe prepararam uma despedida de solteiro. Contrataram meus serviços para aquela noite. Ele era bonito, 36 anos, corpo franzino e apesar da idade parecia inexperiente. Fiz o que tinha que fazer e fui embora.

Uma semana depois Marcelo estava me visitando na casa da Bela. Disse-me que o noivado tinha acabado, que perdera a vontade de casar. Perguntei a mim mesma se a noiva tinha descoberto algo sobre a despedida de solteiro. Marcelo passou a ser meu cliente. Cada vez que nos encontrávamos passava a conhecê-lo mais e vice-versa. Os momentos com ele passaram a ser bons e então, estranhamente, passei a sentir sua falta quando custava a vir me ver. Havia algo diferente na forma como me tratava e eu gostava daquilo. Até que um dia Marcelo me perguntou como fui parar naquele lugar. Tive a sensação que não podia esconder nada dele e contei-lhe minha história incluindo o grande ódio por meu pai. Ele achou tudo muito triste e indagou o porquê daquele nome e apelido: Conceição, a alegre. Disse-lhe que escolhi para esconder meu passado e a tristeza que carregava em meu coração. Foi então que algo maravilhoso aconteceu: ele me abraçou tão forte que não me contive e chorei em seus braços. Ele perguntou então se eu gostaria de deixar a vida de prostituta. Com um suspiro, como que de cansaço, deixei escapar um "sim". Olhei para ele e vi em seus olhos um brilho terno carregado de decisão.

"Escute bem", disse ele se chegando para mais perto de mim. "Estou de viagem marcada para amanhã. Irei resolver alguns negócios numa fazenda que tenho e devo ficar duas semanas fora. Quando voltar, quero que você esteja em minha casa me esperando. Resolva tudo por aqui, se despeça de suas amigas e dê adeus a este lugar. Você não será mais uma mulher da vida".

Fiquei a fitá-lo por um momento, incrédula, esperando que sorrisse e dissesse: "Brincadeira!!!". Mas ele permaneceu com a mesma expressão séria a olhar-me através de muito além de meus olhos. Eu perdi a voz e ele me abraçou novamente. Por fim deu-me o endereço e a cópia da chave de sua casa. Devo estar sonhando, disse-lhe. Isso não é real. Ele sorriu e apenas repetiu: "Duas semanas. Esteja lá quando eu voltar".

"Era pra mim tá lá agora esperando ele. Mas você tinha que aparecer, não é?" Eu cuspia enquanto jogava sobre ele meu protesto e indignação. "Tirou minha inocência no passado e agora veio levar o sonho de um futuro. Quando apareceu essa chance pra mim, você tinha que vir e estragar tudo!" Ele parecia confuso a fitar-me. De fato, não sabia do que eu falava. Mas agora ele estava ali. Já que tinha aparecido cabia a mim cumprir a promessa que fizera a mim mesma: tirar-lhe a vida.

As meninas que trabalhavam na casa da Bela perguntaram se eu estava brincando, pois nunca alguém foi ali para tirar alguma garota de programa daquela vida antes. "Você é uma felizarda, garota!" gargalhou Bela. Todas ficaram, enfim, felizes por mim e me deram um abraço coletivo. No dia seguinte, quando fiz minha mala, guardando nela apenas as roupas que eu mais gostava, fui me despedir das meninas no salão. O lugar estava animado e havia muitos homens ali. Cheiro de bebida e cigarro enchia o lugar. Olhei para todos os presentes como uma última fotografia que iria ficar revelada e gravada em minha mente, mostrando-me onde o ato de meu pai tinha me levado. Sim, tudo havia começado com ele.

Subitamente minha atenção foi tomada por um homem de meia-idade que adentrou o recinto sorrindo juntamente com alguns amigos. Quase que instantaneamente meu corpo todo estremeceu e minhas pernas perderam o equilíbrio e caí desfalecendo. Acordei na minha cama com Bela me olhando com ar de preocupação. "É ele! É ele!" Eu gritei já chorando. "É o homem que me violentou. É o meu pai!" Bela pediu para eu ficasse calma e lhe contasse o que tinha acontecido. Depois e me acalmar, revelei-lhe a identidade de meu pai e pedi-lhe para falar à garota que ficasse com ele naquela noite para sondar tudo o que pudesse sobre ele. Sem muito questionar Bela fez o que pedi.

Meu pai era da área da construção civil e estava na cidade contratado por uma empreiteira que estava à frente de uma grande obra financiada pela prefeitura. Fiquei sabendo ainda que minha mãe tinha falecido de ataque cardíaco e que eu tinha dois irmãos que não eram da minha mãe, além de mais coisas. Porém não descobri isso tudo por informações da garota que ficou com ele na noite em que desmaiei. Ela descobriu apenas onde ele trabalhava e eu, meio que dando uma de investigadora, fui à obra e fiz indagações às pessoas que com ele trabalhava sem, é claro, que ele soubesse.

Até que um dia, ainda atrás de mais informações, ele mesmo me abordou e quis saber o porquê de tantas perguntas a seu respeito. Notei que não me reconheceu. Desconversei, como só uma mulher vivida sabe fazer, e disse-lhe que trabalhava na casa da Bela e que o tinha visto lá. Menti ainda dizendo que o tinha achado muito atraente e gostaria de encontrá-lo à noite. Ele ficou meio desconfiado, mas isso foi até eu lhe falar que eu lhe daria um bom desconto. Sairia quase de graça. Ele sorriu quase que imediatamente. Eu também. Era dessa forma que ele iria morrer, pensei.

À noite, um dos primeiros rostos que apareceram no salão foi o dele. Bela foi me chamar no meu quarto e me perguntou o que eu ainda estava fazendo naquele lugar ao invés de estar na casa de Marcelo à espera dele. Como tivesse recebido um choque lembrei que duas semanas já haviam se passado e ele estaria chegando a qualquer momento. "Vou fazer esse último serviço e depois eu vou." Bela deu de ombros como que dizendo: "você é quem sabe".

Trouxeram meu pai ao meu quarto. O sorriso dele me dava náuseas. Fiz ele sentar na cama e tirei-lhe a camisa em silêncio. Podia ouvir sua respiração ofegante e, vendo-o ali comigo naquele quarto, fez com que todas as lembranças dolorosas ressurgissem ainda mais nítidas, latentes, dolorosas. Afastei-me apenas o suficiente para alcançar, debaixo do travesseiro, a arma que tinha adquirido logo após nosso encontro na obra. Com um salto me pus à frente dele, de prontidão, preparada para atirar.

"O que é isso, mulher! Tá lôca?" Ele se assustou e logo pôs as mãos para cima.

"Não me reconhece… pai?" Foi como se ligassem um interruptor na mente dele. Seus olhos arregalaram e então se lembrou de mim. "Vou matar você. Não podia ter feito aquilo comigo... eu era uma criança! Nenhuma criança merece passar por aquilo... Seu monstro!"

Enfim, agora ele estava ciente que iria morrer. Eu iria matá-lo por tudo o que fizera comigo. E quem sabe não havia feito com outras crianças? Seria por isso que minha mãe teria morrido do coração? Teria ela, de fato, descoberto as coisas perniciosas que ele fazia?

"Seu desgraçado!" Gritei e firmei meus pés para atirar. Olhei bem dentro dos olhos dele. Era o fim.

Crank! Alguém chutou a porta e ela se abriu violentamente. Era Marcelo. Ele tinha chegado de viagem e não tinha me encontrado em sua casa. Certamente veio saber dos meus próprios lábios o que houve para eu mudar de idéia. Porém em seus olhos vi o espanto por me ver apontando uma arma para um estranho.

Eu esbravejei:

"Esse aí é o canalha do meu pai! Que me estuprou, ameaçou me matar, fez eu fugir de casa com medo dele, me fez passar fome, me prostituir... É tudo culpa dele! Por isso vou matar ele! Ele merece morrer!"

Várias pessoas já estavam ali na porta, nervosas, de olhos fitos em nós. Mesmo assustado, Marcelo se esforçou para falar brandamente:

"Talvez ele mereça, Conceição... mas se for por suas mãos a chance de você ser feliz vai acabar".

Eu estava trêmula e ainda com a raiva pulsando em minhas têmporas. Como Marcelo poderia ser tão bom? Refleti que aquela chance de que falava era sobre nós dois. Talvez eu tivesse que agarrá-la com unhas e dentes e nunca mais soltar.

"Não faça isso. Venha comigo". Ele sussurrou com mansidão. "Se quer matá-lo, faça isso no seu coração. Ele acabou com sua inocência; não deixe que acabe com a sua vida também".

Fitei meu pai por mais alguns segundos em então baixei o revólver. Minhas lágrimas deram lugar a soluços altos e incontrolados. Eu precisava me libertar.

Marcelo chegou bem próximo ao meu pai e falou para ele: "Suma e nunca mais volte a colocar os pés nessa cidade de novo".

Foi a última vez que vi meu pai na vida. Marcelo levou-me para sua casa e cuidou das feridas que havia em minha alma. Foi um doloroso processo, mas conseguimos superar.

Hoje constituímos família e passamos a viver para nossas duas filhas, que hoje estão com oito e seis anos. Lindas e inocentes... como um dia já fui.

Inocência. Quem dera não a perdêssemos tão cedo.


Naasom A. Sousa
Email/MSN(Messenger): letrassantas@hotmail.com
Toda Glória, honra e louvor a Jesus, o Rei dos reis!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

NOVIDADES: Novos títulos de ficção nos EUA.

Esses são os novos livros publicados nos EUA nesse mês de janeiro/2011.

Os títulos vão desde romance ao mistério e ação.

São 8 títulos que estão na revista online de ficção cristã dos EUA e já podem ser comprados (em inglês) pelo site Amazon.com.
Quem quiser conhecer melhor cada título é só clicar na capa e você será direcionado à página do livro no Amazon, que contêm as informações técnicas e sinopses.
Abaixo as capas:
 






quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Dica: Filme - A Escolha (The Wager)

O filme "A Escolha", está sendo distribuído no Brasil pela Graça Filmes. A história do longa metragem é baseada na obra do escritor cristão Bill Myers, autor de mais de 80 livros, incluindo o Romance que inspirou o filme "The Wager" publicado em 2003.
Leia a ficha técnica:

Título Original: The Wager
Diretor: Judson Pearce Morgan
Gênero: Drama
Duração: 82 min.
Origem: EUA
Ano: 2008
Tipo: Longa
 
Sinopse:Michael Steel (Randy Travis) está perto de receber o prêmio de maior reconhecimento na carreira de um ator. O que ele não esperava é que, em meio à possibilidade de obter mais uma conquista profissional, uma sucessão de perdas pessoais ocorreriam em sua vida. Em meio a acusações e perseguições, ele tenta reunir forças para permanecer fiel a Deus. No entanto, Satanás testa a fé que Michael possui, destruindo a reputação dele, de seu casamento e sua carreira. Diante da mais importante escolha de sua vida, ele será forte o bastante para viver a verdade, não importando quais sejam as consequências?

Assista o trailer do filme A Escolha

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

DICA: Filme A letra que Mata (Dangerous Calling)

O longa metragem "A letra que Mata", é uma ficção que expõe os problemas de uma igreja, ele foi produzido por Nathaniel Thomas McGill e Vincent Vittorio. Segundo o site Christian Cinema, a critica do filme recebeu 3 estrelas, no total de 5 estrelas, voto de 12 internautas, aqui no Brasil ele está sendo distribuído pela Graça Filmes. Leia a ficha técnica do filme:

Título Original:Dangerous Calling
Diretor(es): Josh Daws & Jeremiah Daws
Gênero: Suspense
Duração: 97 min.
Origem: EUA
Ano: 2010
Tipo: Longa
 
Sinopse: Suspense ambientado na vida de membros de uma igreja de uma pequena cidade, A Letra que Mata conta a história do Pr. Evan Burke (Steven Caudill) e sua esposa Nora (Carrie Walrond) quando eles assumem a liderança da Primeira Igreja Batista de Willit Springs, após a morte misteriosa do pastor anterior. Ansiosa por conhecer o novo ministro, a Sra. Pat, que é a viúva controladora da igreja, convida Nora e Evan para morarem com ela enquanto a casa pastoral passa por uma reforma. Sozinha na bela residência da Sra. Pat, localizada nas montanhas ao norte da Geórgia, Nora começa a suspeitar de que o filho superprotegido daquela senhora possa ter alguma coisa a ver com a morte do antigo pastor. A Busca da verdade... poderá ser fatal para Nora!

Assista o trailer do filme A letra Mata (Legendado)
 

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

NOVIDADE/NOTÍCIA: Evangélicos investem na 7ª arte como instrumento evangelizador

Ana Sofrimento e Triunfo 206x250 Evangélicos investem na 7ª arte como instrumento evangelizador

 
O Cinema nacional ganhou aparência, cores e formas religiosas. Em 2010 filmes religiosos (espíritas e católicos) foram lançados em circuito nacional.
 
2011 já nasce com novas possibilidades de evangelização: Filmes Gospel Nacionais. Por isso, Victor Martins, resolveu investir 7ª Arte como ferramenta de evangelização, que considera um segmento ainda não explorado de forma adequada pelos evangélicos.
 
Victor é Diretor e Produtor do filme Ana – Sofrimento e Triunfo e afirma que o filme tem caráter evangelístico, além dos momentos de entretenimento. "O filme Ana – Sofrimento e Triunfo, é um filme cristão interdenominacional, com uma produção de bom gosto que se preocupou em elaborar uma fotografia impactante que retrata a realidade em comunidades da cidade maravilhosa, onde o poder paralelo controla a vida de muitas famílias." Afirma Victor que é membro da Igreja Batista do Méier e Líder do Ministério de Arte e Cultura.
 
O filme conta a história de uma jovem viúva que vê seu filho sendo torturado até a morte por traficantes de uma favela no Rio de Janeiro. A protagonista Ana resolve se vingar dos assassinos se unindo a um traficante rival. Sem sair do gênero drama, o filme proporciona alguns momentos divertidos e entretêm os também apaixonados por ação.
 
Com estréia prevista para o dia 29 de janeiro às 19 horas na Igreja Batista do Méier que fica na Rua Hermengarda, 31 – Méier. Victor convida a todos os evangélicos a estréia deste tão esperado filme gospel.
 
Informações: (21) 3274-8729 ou pelo email: vmartins93@hotmail.com
 
Quem quiser conhecer mais o filme e o trabalho deste ministério pode acessar: http://anasofrimentoetriunfo.wordpress.com

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

NOVIDADE/CURIOSIDADE: Davi e Golias: Produtores de Crepúsculo levarão história para o cinema

Davi e Golias 196x250 Davi e Golias: Produtores de Crepúsculo levarão história para o cinema

 
A Bíblia inspira mais um filme. Os filmes baseados na passagem de Jesus Cristo pela Terra devem ter dado um certo retorno as produtoras, pois a Relativity Media acaba de adquirir os direitos sobre a adaptação da história de Davi e Golias ao cinema.
 
O diretor Scott Derrickson  levou o projeto aos produtores de Crepúsculo, que abraçaram a ideia de vez. Segundo informações do Hollywood Reporter, 'Goliath' será um filme de ação de época feito com "sensibilidade contemporânea" (?).
 
O roteiro reconta como o jovem pastor Davi lutou por sua vida ao aceitar o desafio do gigante Golias, que foi enviado na época para dar cabo do futuro rei de Israel.
 
Fonte: Pipoca Blog/ Gospelprime

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

RESENHA: O Retorno da Fé

FICHA TÉCNICA:

Título nacional: O retorno da fé

Título original: Rust

Ano: 2010

Gênero: Drama

País de origem:

Elenco: Corbin Bernsen, Frank Gall, Kirsten Collins, Lloyd Warner, Audrey Lynn Tennent.

 

Sinopse: Em O Retorno da Fé passando por uma crise de fé em plena meia idade, um homem encontra esperança quando menos espera encontrá-la, na sua cidade natal. James Moore (interpretado por Corbin Bernsen, indicado ao Globo de Ouro®) já foi pastor, volta para casa e descobre que uma família lá instalada há pouco tempo, foi morta em um incêndio misterioso, e um amigo seu de infância pode estar envolvido no crime. James está convencido de que o amigo é inocente e assume a tarefa de descobrir a verdade. Enquanto isso, ele reencontra a fé que outrora havia perdido. O Retorno da Fé é um drama edificante sobre fé, família e os laços fortes que mantém a união de uma comunidade.

 

O filme começa com o padre James Moore (e não pastor como encontrei em algumas sinopses. Já viram algum pastor orar olhando para uma imagem de Cristo? Eu não.) falando que não aguantava mais o silêncio de Deus e por isso iria deixar suas responsabilidades na igreja. Daí então ele volta para sua terra natal onde reencontra seus amigos de infância, em especial um que agora é policial da cidade e outro, Travis, que está sendo acusado de ter posto fogo numa casa e matado assim uma família inteira.

 

Em meio aos problemas com seu pai que o culpa por não ter se tornado um atleta de hokey ou Futebol americano, James ainda tem que correr contra o tempo para inocentar seu amigo que está preso e acusado de assassinato.

 

Algo que me deixou um pouco irritado foi o fato de James questionar Deus por o mundo estar do jeito que está: tragédias, guerras, assassinatos, etc. Será que ele não sabe, sendo padre, que o mundo jaz no maligno e se encontra assim porque as pessoas não querem a Deus? Estão sem Deus, sem a Luz do mundo? É uma equação simples: (homem – Deus = caos, tristeza, amargura, ect).

 

O filme no começo me deixou com sono e se arrastou até o meio da história apenas apresentando as pessoas da pequena cidade onde reside a família de James. A história só me envolveu perto do fim, quando James tenta descobrir o que de fato aconteceu na noite em que houve o incêndio, depois de desconfiar que o amigo não está sendo sincero ao declarar-se culpado pelo crime.

 

Não achei que esse seja classificado um filme cristão como vemos habitualmente, pois são poucas as referências que se faz da bíblia, principalmente de Jesus. Está relacionado mais à perseverança e de ter uma vida íntegra com sua família e seus amigos. Vi algumas brechas no filme como o fato do divórcio da irmã de James, que daria uma boa discussão. A raiva do pai dele, os jovens que bebem e se drogam, pois não têm um relacionamento com Deus, etc.

 

O filme não é tão empolgante e poderia ser mais bem explorado, apesar de ainda assim fazer-nos pensar no que faríamos por nossos amigos, encontrar algum sentido na vida e resolver nossos problemas cotidianos.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

RESENHA: A Viagem do Peregrino da Alvorada - Vol. V - As Crônicas de Nárnia‏


A Viagem Do Peregrino Da Alvorada - Cronicas De Narnia, As, V.5
Autor: LEWIS, C.S.
Editora: WMF MARTINS FONTES

Pág. 231

Compre esse livro clicando aqui
Sinopse: Lúcia e Edmundo, com seu odioso primo Eustáquio a tiracolo, embarcam numa incrível viagem de aventuras e descobertas, a bordo do imponente navio Peregrino da Alvorada. Rumo às Ilhas Solitárias, em busca dos sete amigos desaparecidos do pai do rei Cáspian, eles encontram um dragão, uma serpente do mar, um bando de criaturas invisíveis, um mágico e o próprio Aslam, o Grande Leão, que os presenteia com uma promessa muito especial.

 

Resolvi ler esse livro de C S Lewis antes de ter a oportunidade de assistir o novo filme. Não me arrependi, já que achei essa crônica a melhor até agora (falo das outras duas crônicas que deram origem aos filmes produzidos pela Disney).

 

Ao que parece, a cada crônica a linguagem vai ficando mais próxima da adulta, visto que em O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, a linguagem e o modo de narrar era muito infantil; isso foi se atenuando em O Príncipe Caspian; e nesse livro da série a narrativa, ao meu ver, ficou bem parecido com as aventuras de Galaás, Ulisses ou mesmo de Hércules, onde em cada parada do navio Peregrino, para abastecer-se de comida e bebida e buscar informações dos lordes desaparecidos, havia uma aventura inusitada.

 

Exemplos disso são: homens que viram dragões, ilhas onde existe um poço que quando se mergulha algo nela vira ouro e cresce a cobiça das pessoas que se aproximam, ilha com encantamentos através da leitura de um livro... e assim por diante.

 

Esses elementos míticos e fantásticos fizeram-me gostar muito desse volume e dizer que entre os três que li até agora, foi o melhor.

 

Ripchip revela-se uma figurassa nessa crônica e destaca-se por sua  delicadeza em relação aos seus reis e sua coragem diante dos perigos inimagináveis.

 

Devo ressaltar que no final, Aslam faz uma revelação muito interessante, onde diz que em nosso mundo, assim como em Nárnia, ele é conhecido, mas com outro nome. Seria mais uma referência que Lewis faz a Cristo?

 

É por isso, pela narrativa espetacular e também pelas aventuras inusitadas que As crônicas de Nárnia se destaca na literatura universal.

 

Recomendo com veemência.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

RESULTADO: Sorteio ACONTECE A CADA PRIMAVERA

Sorteei hoje o livro ACONTECE A CADA PRIMAVERA e tivemos uma participação ainda acanhada para esse livro que achei muito bom. Foram 40 participações. Senti falta de muita gente que frequenta aqui o nosso blog. Agradeço aqueles que se cadastraram como seguidores e estão ajudando nosso blog a crescer cada dia mais. Espero que aqueles que não foram sorteados (claro, como dizia o Highlander: "só pode haver um" - infelizmente, dessa vez. Quem sabe teremos prêmios múltiplos no futuro) se sintam felizes por participar do nosso blog (pois nos sentimos imensamente felizes por tê-los conosco), pois saibam que em breve teremos mais sorteios.
 
Bem, vamos ao que interessa. A pessoa sorteada foi...
 
Priscila Gonçalves do Amaral.
 
 
 
Priscila, fico feliz que tenha sido você, pois sempre você está por aqui no blog. Parabéns. Mande-me um e-mail com seu endereço e em breve mandarei seu livro. Você tem uma semana para enviar esse e-mail, senão sortearei o livro novamente, desta vez sem seu nome.
 
Por fim, quero agradecer à Mundo Cristão por mandar esse livro e acreditar em nosso Blog. Espero que mais ficções cristãs sejam publicadas nessa editora e que possamos participar da divulgação das mesmas.
 
Grande abraço a todos e até a próxima.
Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial